Missão das Misericórdia

As Misericórdias, representadas por Confrarias, Irmandades, Santas Casas, Fundações de Misericórdia, Entidades Beneficentes e Filantrópicas assumem-se como lídimas herdeiras do preceito divino de traduzir na prática, as sete obras de misericórdia corporais e as sete espirituais. São a expressão viva e operante do envolvimento solidário da comunidade na construção de uma Civilização Global do Amor e da Paz.

 

Testemunham o amor preferencial de Cristo para os pobres e doentes e todos os necessitados.Declaram publicamente adotar sua missão e colocar em prática os valores evangélicos nestes termos:

 

  • Sentido da Missão

 No desenvolvimento da sua missão as Misericórdias têm por dever prestar todo tipo de apoio à recuperação e aprimoramento físico, intelectual, profissional, moral e espiritual dos seres humanos. Apoiar as sociedades que estes ajudaram a construir, manter e desenvolver no sentido da universalização do bem estar e da justiça em fraternidade. Envolver-se com a saúde preventiva e curativa. Zelar pela assistência social, bem como o socorro às vítimas de catástrofes e epidemias. Energizar o desenvolvimento econômico, científico, moral, cultural e de inclusão social.

 

  • Valores

As Misericórdias colocam a pessoa humana no centro de toda a sua ação direta e assistencial. Primam pelo respeito e defesa incondicional dos valores humanos e cristãos. Atestam a dignidade indivisível do ser humano, criado à imagem e semelhança de Deus. Respeitam sua dimensão biológica, psíquica, social e espiritual, procurando promovê-la e, quando necessário, curá-la. Mostram-se particularmente sensíveis à promoção e defesa dos mais pobres, (quer indivíduos, grupos ou povos) tanto na sua vulnerabilidade quanto na sua qualidade de vida.

 

  • Valorização da Pessoa

As Misericórdias reconhecem e defendem a dignidade fundamental e os direitos a uma vida digna de todos os seres humanos. Testemunham o amor gratuito ao próximo sofredor e prestam-lhe atenção amorosa e fraterna, praticando e promovendo as obras de misericórdia em  ambientes de humanidade e de cultura da solidariedade fraterna, da assistência social, da saúde e da evangelização.

 

  • Valorização dos Colaboradores

As Misericórdias valorizam de modo especial seus colaboradores, tanto os que exercem nelas sua atividade em caráter voluntário quanto os que estão ligados formalmente a elas, considerando-os parte integrante e verdadeiros agentes da sua atividade assistencial e seu principal e mais lídimo patrimônio. Empenham-se em propiciar-lhes  um ambiente humano, de diálogo e de co-responsabilidade. Desenvolvem e aplicam uma política de recursos humanos que favoreça a realização pessoal, a motivação e a atualização na formação.

Promovem e favorecem a profissionalização, a competência, a interdisciplinaridade, a participação (voluntária), o trabalho em equipe e o ensino.

 

  • Valorização da Administração

As Misericórdias primam pela utilização racional dos recursos econômicos disponíveis em benefício das pessoas e da comunidade  carente. Respeitam os valores éticos inspirados nos princípios da justiça e da equidade. Procuram manter transparência administrativa e gestão social. Preocupam-se em aplicar os recursos financeiros disponíveis na assistência e na melhoria dos conhecimentos técnicos, científicos, humanitários e cristãos. Não encaram a administração como um valor em si mesmo, mas como um excelente instrumento para a viabilização das suas atividades assistenciais e sociais, devendo ser revestido dos elementos indispensáveis à sua correta execução. Exigem que toda a composição financeira seja revestida da maior probidade.

 

  • Valorização Pastoral

As Misericórdias desenvolvem esforço participativo para uma nova evangelização. Sua atividade pastoral baseada nos princípios cristãos do pluralismo ecumênico e universalista envolve a todos: os enfermos hospitalizados ou em suas residências e  seus familiares; os colaboradores que exercem sua atividade em suas obras; os pobres e marginalizados; os portadores de deficiência física e ou mental; os idosos e excluídos. Contam, para isto, com a colaboração irrestrita de toda a comunidade.

 

  • Valorização da Ética

As Misericórdias colocam em prática com o maior rigor, os códigos de ética das instituições que mantêm, envolvendo responsabilidades específicas concernentes à dignidade da pessoa em todos os estágios da sua vida; ao seu direito de determinar o que deseja ou aceita; à defesa da sua vida e à sua promoção social. Mantêm condições tecnico-profissionais suficientes para a pratica da melhor assistência possível. Consideram ilícita a interrupção de terapias e demais práticas que sustentam a vida.

 

  • Valorização da Comunidade

As Misericórdias são sempre um espaço aberto, generoso e inserido da comunidade, da qual emanam e de que são parte integrante e indissociável. Promovem a irradiação da cultura, da prestação de serviço entre as pessoas e da aliança para  uma melhoria constante da qualidade de vida para todos. Favorecem a participação ativa dos voluntários procurando motivar e agregar o maior número possível de pessoas para seu ideal de servir. Incutem nas pessoas o espírito de altruísmo para a formação de verdadeiras falanges em prol da manutenção das suas obras e da expansão e melhoria das suas atividades.

 

  • Valorização dos Pobres

As Misericórdias desenvolvem suas atividades em favor sobretudo dos mais pobres, dos excluídos da comunidade e dos marginalizados, procurando prestar-lhes uma assistência digna e promovê-los e integrá-los humana e socialmente, dotando-os de condições para sua auto-realização. Favorecem iniciativas bilaterais, sobretudo com entidades da mesma natureza para  que o apoio efetivo se torne, de fato e de direito, universal.

 

  • Valorização das suas Atividades

As Misericórdias estabelecem estratégias e meios de apreciar constantemente o próprio desempenho. Apreciam permanentemente os resultados obtidos, as dificuldades enfrentadas e o universo assistido e desassistido. Favorecem a melhoria constante das suas atividades, a expansão dos seus serviços e a renovação do seu desempenho. Inovam a própria estrutura para acompanhar os sinais dos tempos e as necessidades de cada lugar.

 

  • Valorização da Solidariedade Institucional

As Misericórdias, conscientes do universalismo da sua vocação e história, assumem a solidariedade e entreajuda,  em todos os Continentes e países onde existem ou possam ser criadas, como forma de serem fautoras e promotoras de uma civilização do Amor e de Globalização da Solidariedade.

 


Trabalho elaborado a partir de matérias publicadas no livro Epopéia das Misericórdias, compilado pelo Dr. Ivo Arzua Pereira, do Código de Ética do Hospital Filantrópico.